O que aprendi no intercâmbio – Parte 2 de 4

  • 20 de abril de 2018
  • Artigos
Planejamento de viagem

Após ter clareza do foco e propósito do intercâmbio, citados na primeira parte deste artigo,  apresentamos abaixo as competências que irão fazer grande diferença no seu projeto ou outras conquistas.

Planejamento (antes, durante, depois)

Escola, dinheiro, residência, viagens, relacionamentos, saúde, enfim, a palavra de ordem é planejar.

Planejar significa saber o que fazer, quando, como, onde e principalmente, quanto poderemos gastar até conseguir um trabalho, se este for o objetivo a ser alcançado em outro país, enquanto estiver estudando. As oportunidades de trabalho existem em alguns países, mas dependendo do período do ano, pode ser mais difícil inicialmente.

Devemos considerar também a barreira da língua inicialmente, que talvez não seja ainda tão legal para atender às exigências da maioria das oportunidades de trabalho. Por isto é importante planejar a vida financeira para lidar com este período mais delicado.

Planejar também significa ter clareza que talvez não iremos inicialmente trabalhar na nossa área de formação e atuação que tínhamos no Brasil. Teremos que nos adaptar as novas alternativas de trabalho ofertadas no país para estudantes.  Devemos nos preparar para esta situação. E será que estamos preparados e abertos para novos desafios?

Portanto, o planejamento irá reduzir os riscos e as surpresas. E esta competência é fundamental para o alcance dos objetivos em um intercâmbio e nas diversas áreas da nossa vida, ou seja, saber planejar.

 

Dublin

O planejamento inclui também ter conhecimento ∕ Informações sobre o que vamos fazer, onde e como? 

Nem sempre sabemos tudo sobre o que queremos ou caminhos que necessitamos percorrer para alcançar nossos objetivos. Por isto fazer pesquisa sobre o universo que envolve o nosso foco, recursos necessários, são fundamentais para o sucesso das nossas ações.

As pessoas que chegavam ao país sem as informações necessárias sobre escola, visto de estudante, hospedagem, custo de vida, cultura local, clima, enfim, estas, sofriam mais com as dificuldades iniciais. Ficavam com frequência, agressivas e “revoltadas”, deixando de enxergar o lado bom de romper barreiras, adaptar ao mundo novo e novas relações. Simplesmente faltavam informações sobre este mundo novo.

Lembrando que mesmo sabendo tudo, ocorrem alguns transtornos.  Imaginem sem as informações básicas?  Tudo fica mais difícil! Importante buscar ajuda nas agências que trabalham com intercâmbio; ajuda da família, amigos ou profissionais que de forma neutra, contribuirão para este esclarecimento.

Portanto, planejar e ter o máximo de informações possíveis a respeito do projeto, fazendo pesquisa sobre o que você quer, os desafios e oportunidades para atingir sua decisão e meta a ser alcançada, são atitudes  fundamentais para o sucesso de um projeto de intercâmbio e de forma geral em todas as áreas para se obter sucesso.

“Ousar é sempre positivo, mas a autoconfiança em excesso, poderá ás vezes comprometer o nosso sucesso.”

 

Pense nisso e até a próxima leitura!