O que aprendi no intercâmbio? Parte 1 de 4

  • 13 de abril de 2018
  • Artigos
Imagem intercâmbio

Conforme citado na introdução deste artigo e divulgado anteriormente, irei compartilhar sobre as competências necessárias ou aprendidas em um projeto de intercâmbio. Competências necessárias e Competências aprendidas, este será o tema. Vale conferir!

São muitos os desejos e estórias que justificam as decisões  para alguém sair do país. E todos, realmente todos, merecedores de atenção, respeito e valorização.  Não importa a idade, sexo ou condições financeiras  no Brasil, todos merecem esta oportunidade de mudança e ser feliz.

Porém, com a minha experiência, percebo que os objetivos ou metas, para serem realizados, exigirão a aplicação plena de várias competências em todas as etapas, para lidar melhor com os  enormes e frequentes  desafios que  enfrentamos ao longo de um processo de mudança.

Por isto a grande importância de ler, praticar e aprender sobre as mesmas.

E quais seriam as competências que facilitariam a nossa vida  no alcance dos objetivos quando pretendemos fazer um intercâmbio ou mesmo  de forma geral, principalmente na área profissional?

São dicas simples vivenciadas por mim ou observadas em outros estudantes, cada um com seu sonho, mas tendo em comum, a mudança radical de suas vidas.

Muitas coisas acontecem fora do nosso controle, o que  nos faz sofrer inicialmente. Mas  quando ocorrem, não podemos nunca deixar de nos fazer as perguntas:

O que eu posso fazer com a condição que tenho no momento, que irá agregar valor aos meus objetivos? Qual o custo e possível consequência dessa escolha ou alteração da rota?

Quem poderá melhor me orientar e ajudar nesta escolha para que eu possa reduzir ao máximo a margem de erros e continuar minha caminhada?

E após tais reflexões, procurar colocar tudo em ação com coragem, humildade, um sorriso no rosto, agindo de forma positiva em todas as relações e situações para atrair boas pessoas e sucesso nos resultados.

Foi o que fiz quando tomei a decisão de fazer meu intercâmbio.

 

Habilidades necessárias

Competências necessárias?

Importante ressaltar que existem algumas limitações como: maior ou menor dificuldade de aprender outro idioma, qualidade do ensino anterior ao intercâmbio, condições financeiras, estória de vida de cada um, enfim, limitações que apesar de importantes, não serão tratadas neste artigo.

O que chamamos de competências essenciais ou aprendidas, referem-se às atitudes ou comportamentos que dependem apenas  de nós  e que  podem  também ser desenvolvidas.

Foco e propósito

Qual era meu objetivo com o intercâmbio e o quanto eu necessitava ou desejava o aprendizado em inglês?

Ao chegar a um novo lugar, principalmente em outro país, somos estimulados para curtir e fazer muitas coisas. E tudo, tudo é muito legal, bonito e prazeroso. E temos o direito de curtir sim algumas coisas. Mas se não temos claro nosso objetivo e propósito, seremos levados a seguir caminhos ou fazer coisas em excesso, que não irão agregar valor na nossa vida naquele momento.

O tempo passa rápido e a frustração com certeza chegará de forma mais intensa, quando percebemos que apenas gastamos tempo e dinheiro sem trazer nada na bagagem pessoal ou profissional.

Portanto, qual é o nosso propósito com a escolha que fizemos? Após ter clareza de propósito, pensar:

Quais as forças (pontos positivos) e fraquezas (pontos negativos) que temos antes do intercâmbio, necessárias para atingir nosso objetivo como: saúde, dinheiro para nos manter durante o período do intercâmbio ou até conseguir um trabalho, nível de aprendizado com o idioma, contatos no país para facilitar a localização de hospedagem, escola, apoio e contato familiar para casos de emergência.

Coisas boas e maravilhosas acontecem durante todo o intercâmbio, mas dificuldades também poderão aparecer. E aí, o sofrimento se ocorrer, seja nas relações, hospedagem, escola e trabalho, serão amenizados quando temos claro o nosso  foco ou propósito e condições para agir.

Era comum perceber que as pessoas que sofriam mais com as adversidades, não tinham claro o que estavam fazendo em outro país.  Seria para estudar, férias, trabalhar ou outro motivo?

Ao contrário, era possível perceber que as pessoas que tinham seus propósitos claros e se empenhavam, sem se deixar seduzir por toda a estimulação recebida para desviar do caminho, estas com certeza,  tinham resultados mais rápidos e com mais felicidade em suas conquistas.

“Nos meus momentos mais difíceis, eu pensava ou buscava ler nas minhas anotações, referente ao planejamento – Qual era o meu propósito quando deixei o Brasil. E assim, tudo se tornava mais fácil, consciente, sabendo que era apenas uma fase. Não culpava ninguém  por nada, pois tudo fazia parte das minhas escolhas.”

 

Pense nisso e até a próxima semana!